15 Fatos que você deveria saber sobre a maconha!

Veja os 15 fatos que você deveria saber sobre a maconha:

1. Temos larica porque o THC, o ingrediente ativo da maconha, inibe um receptor canabinóide conhecido como CB1. Esse receptor também é responsável por sinalizar o hormônio da supressão da fome, a leptina. Quando o CB1 é bloqueado, a leptina não se ativa.

2. É praticamente impossível ter uma overdose de maconha. São necessários mais de 800 baseados pra matar alguém e a causa ainda seria por asfixia de monóxido de carbono e não pelo THC! Já as outras “drogas”…

drogasmatam1

3. O Paraguai é o maior produtor de canábis do mundo.

4. A maconha foi primeiramente utilizada como tratamento medicinal na China em 1737. Era utilizada pra diminuir as dores causadas pelo reumatismo e gota.

5. A primeira lei emitida sobre a maconha nos Estado Unidos exigia que os fazendeiros plantassem cânhamo. As colônias cultivavam o cânhamo para a produção de vestuário, velas e cordas. É isso mesmo, produção?

6. Ambos George Washington e Thomas Jefferson eram donos de plantações de maconha. Jefferson redigiu a Declaração de Independência em um papel feito de maconha. Independência e maconha tem tudo a ver, né?

7. Nos EUA, a canábis é a 4ª colheita que vale mais e representa um mercado equivalente de 36 bilhões de dólares. Com a proibição, boa parte desse dinheiro está no mercado negro, além do que não é contabilizado.

8. A historia estadunidense do cânhamo:

– 1600-1800 – A produção de cânhamo é estimulada pelo governo.

– 1907 – A “Pure food and drug act” requeria que todos os produtos, como os sem-receita, que contivessem cannabis, fossem rotulados.

– 1930 – Por causa da Grande Depressão, desemprego em alta, e a associação da maconha com os imigrantes mexicanos, o governo começa a ver a “marijuana” como um problema. 29 estados a baniram em 1939.

– 1940 – Estudos e relatórios mostraram que a erva é muito menos perigosa do que suspeitavam anteriormente, provando nenhuma ligação entre seu uso e a violência, estupros, insanidade mental e vício.

– 1970 – Em 1972, a Comissão Shafer recomendou que o uso pessoal da Marijuana fosse descriminalizado. O presidente Nixon recusou. Mas em contrapartida, 11estados descriminalizaram a maconha e quase todos os restantes diminuíram as sanções ligadas á maconha.

9. Aonde a maconha é legal?

Descriminalizada: Austrália, República Tcheca, Macedônia, Venezuela, Canadá (para uso medicinal), Equador, México, Chile, Finlândia, Colômbia, Alemanha,Portugal.

Legalizada: Argentina (para uso pessoal e em pequenas quantidades), Bélgica, Índia (regulamentada pelo governo), Paquistão, Peru, Uruguai (emprocesso de legalização)

10. Cigarro vs. Maconha vs. Café: Estudos mostram que o hábito de fumar maconha, mesmo assiduamente, não aumenta os riscos para o desenvolvimento de câncer de pulmão.  Cigarros têm 90% de chance de te deixar viciado, enquanto a maconha é menos viciante que o café! Mais fácil criar uma clínica de reabilitação para os Cafeínolatras Anônimos!

cafe2

11. A maconha é uma planta feminista! Só com as flores secas da planta feminina que se fica chapado. Plantas masculinas são basicamente utilizadas para fertilizar a planta feminina. É assim que é; Pra maconha, macho só serve pra reproduzir! =)

12. A erva era usada como “remédio da verdade” pelo governo norte-americano durante a 2ª Guerra Mundial. Eram misturadas nos cigarros e dadas aos detidos para que eles fossem mais “sinceros”.

13. Você deveria vaporizar a maconha ao invés de fumar. Um vaporizador aquece a maconha quase que fervendo, evaporando o THC, mas sem queimar, então você consegue ficar chapado sem tragar a fumaça proveniente da combustão.

14. A palavra Marijuana é desconhecida na etimologia do espanhol falado no México, porém ela substituiu a palavra cannabis e cânhamo na década de 1930.

15. Fumar maconha faz mal, mas cigarro também faz e álcool muito mais!

Anúncios

Melhores Dichavadores: plástico, madeira ou metal?

Um bom degustador de Cannabis sabe que um bom dichavador é peça muito importante na hora de enrolar o seu beck, e assim fica a pergunta: quais os melhores dichavadores: de plástico, metal ou madeira?

Para resolver esta questão, vamos analisar os prós e os contras de cada modelo e tentar tirar uma conclusão para nosso amigo leitor.

  

Dichavador de Plástico – Estes são os modelos mais baratos disponíveis no mercado. É possível, por exemplo,  encontrar dichavadores de plástico por menos de 10 Reais e eles até que resolvem no início, mas ao longo do tempo, e principalmente se a erva estiver muito compactada, eles perdem as pontas e você vai acabar fumando uns pedacinhos de plástico, além de ficar com o dichavador “banguela”.

  

Dichavador de Metal – Estes são os modelos mais duráveis do mercado. São bem mais robustos e aguentam trabalho pesado por meses, sem quebrar as pontas. Alguns modelos ainda tem algumas vantagens como uma tela que peneira a erva, e um segundo compartimento para guardar o fumo. O único porém é que esses dichavadores chegam a custar até 50 Reais, o que pode ser um duro golpe no orçamento do degustador de ervas!

  

Dichavador de Madeira – Estes modelos são amplamente encontrados em feiras de artesanato e até mesmo  em algumas tabacarias e são feitos de maneira mais rústica e menos padronizada, então pode haver problemas de qualidade, como dificuldade ao girar o dichavador devido ao fato da madeira se expandir com o calor ou a umidade excessiva do clima ou da erva. O preço muitas vezes se assemelha ao do dichavador de metal então não parece ser a opção mais durável, apesar de se haver diversos modelos com apelo visual bem agradável com um trabalho muito bonito na madeira.

As fotos destes dichavadores foram retiradas do site: www.madrugashop.com

Filme Segurando as Pontas (Pinneaple Express) – Item 9

Trecho de abertura do filme Segurando as Pontas, (Pinneaple Express), satiriza a criminalização da maconha pelo governo norte-americano.

O soldado está experimentando a substância “item 9” e começa a ter sentimentos de paz e harmoniza quando o Coronel declara em alto e bom tom: ILEEEGAAAAAAL!!!!!!!

Veja o trecho de abertura abaixo:

Como a maconha age no cérebro

Como qualquer outra droga, os efeitos vão depender da quantidade usada, da combinação com o uso de outras drogas e com outros fatores relacionados ao ambiente, ao estado emocional do usuário e às suas expectativas. Algumas pessoas, ao usarem maconha, sentem-se relaxadas, falam bastante, riem à toa. Outras sentem-se ansiosas, amedrontadas e confusas. A mesma pessoa pode, de um uso para outro, experimentar efeitos diferentes.

Em doses pequenas, a maconha distorce os sentidos e a percepção. As pessoas podem relatar que as músicas ficam mais bonitas, as cores mais vivas, o cheiro, o gosto e o tato mais aguçados. A percepção de tempo e distância também fica alterada e a consciência corporal aumentada. Todas essas sensações podem ser prazerosas para algumas pessoas e desagradáveis para outras.

Em altas doses, a possibilidade de experimentar sensações desagradáveis aumenta, podendo gerar confusão mental, paranoia (sensação de estar sendo perseguido), pânico e agitação. Podem também ocorrer alucinações e delírios.

Mas o problema não acaba aqui. O ingrediente ativo na cannabis, THC, permanece depositado no corpo por semanas ou mais. Já se sabe que o uso continuado interfere na capacidade de aprendizagem e memorização e pode induzir a um estado de amotivação, isto é, não sentir vontade de fazer mais nada, pois tudo fica sem graça e sem importância. Esse efeito crônico da maconha é chamado de síndrome amotivacional. Além disso, a maconha pode levar algumas pessoas a um estado de dependência, isto é, elas passam a organizar sua vida de maneira a facilitar o uso da droga, e tudo o mais perde seu real valor.

Outro fator muito importante sobre os efeitos psíquicos produzidos pela maconha: existem provas científicas de que se o indivíduo tem uma doença psíquica qualquer, mas que ainda não está evidente (a pessoa consegue “se controlar”) ou a doença já apareceu, mas está controlada com medicamentos adequados, a maconha piora o quadro. Ou faz surgir a doença, isto é, a pessoa não consegue mais “se controlar”, ou neutraliza o efeito do medicamento e ela passa a apresentar novamente os sintomas da enfermidade.

Com relação aos efeitos físicos, a curto prazo são eles: falta de coordenação motora, sonolência, os olhos ficam meio avermelhados (hiperemia), a boca fica seca (xerostomia) e o coração dispara, de 60 a 80 batimentos por minuto pode chegar a 120 a 140 ou até mesmo mais (taquicardia).

O que é o Skunk?

Skunk, também conhecido como skank ou supermaconha, é a uma espécie de maconha, manipulada e alterada geneticamente para maior produção de flores ou maior potência de suas substâncias psicoativas, conhecidos por endocanabinóides. Como a maioria dos vegetais, pode ser cultivada através de sistema hidropônico, podendo alcançar alto teor de THC. A concentração da maconha comum é da ordem de 2,5%, no skunk a concentração sobe para 17,5%.

Para conseguir índices mais altos de THC e de produtividade é tratada e cultivada com fertilizantes e proteínas especificas de acordo com a necessidade da planta. Em geral, a planta é fumada e metabolizada pelo fígado até que o THC seja absorvido pelo cérebro. Pesquisas recentes apontam ainda que o alto teor de THC usa uma substância produzida pelos neurônios (a anandamina) para se fixar no organismo.

Por serem espécimes ímpares as boas sementes são de difícil acesso, quando se há possibilidade de plantio, os cultivadores usam métodos para manter a linhagem da planta sem que ela morra após a colheita. Um dos métodos é a clonagem, onde se corta um pequeno ramo apical, banha-o com hormônio enraizador para plantas e água (pequenos recipientes, um bom substrato é a vermiculita, um tipo de rocha expandida que retém elevada umidade) até que brote alguma raiz, então coloca-se em uma sementeira sob alta e constante luminosidade para induzir a fase vegetativa do pequeno broto. Deve se ficar muito atento ao crescimento dos clones pois sem raízes estes ficam muito frágeis e debilitados. Com este método é possível o controle de quantidade e o uso da mesma planta durante longos períodos.

 

Efeitos

Produz os efeitos da maconha, porém de potência maior. O Skunk assim como a maconha, reduz a concentração (ou a aumenta, dependendo do indivíduo) alterando o funcionamento dos neurônios. Neurotransmissores como a serotonina e dopamina são afetados, proporcionando alterações motoras e de memória.

Os usuários podem desenvolver ansiedade. Os efeitos do skunk no organismo são todos potencializados, igual ao THC. O que diferencia o skunk da maconha comum é a maior capacidade entorpecente. Os componentes ativos em ambos são chamados de delta-9 tetra-hidro-canabinol (THC). Na maconha, a concentração dos componentes encontrados nas folhas, flores e frutos prensados equivale a 2,5%, já no skunk o índice de THC equivale de 5% a 23% dependendo da cruza de espécies e sua produção pode ser de até 400/500G por m² utilizando sistemas otimizados de cultivo.

Fonte: Wikipedia

A legalização da maconha no Brasil e no mundo

cannabis sativa, popularmente conhecida como Maconha, é um tema controverso no quesito legalização. A opinião dos que discutem esse tema é bem divida, com benefícios e malefícios.

Os que são a favor da legalização falam do seu potencial medicinal, calmante e os benefícios que o governo teria com impostos e desarticulação do narcotráfico.

Os que são contra a legalização afirmam que a maconha não deixa de ser droga e os seus malefícios já são conhecidos da sociedade.

luta_maconha

A legalização da cannabis se refere às leis que a regulam, como seu uso, a posse, o cultivo, a transferência e o comércio. Desde o início da proibição do uso da planta em meados do século XX, a maioria dos países não reviu a legislação sobre o uso da droga para uso pessoal, apesar de mais de 10 países toleram ou terem descriminalizado o uso e/ou o seu cultivo em quantidades limitadas pelo governo.

Há países em que é permitido o uso medicinal, tais como: Canadá, Israel e República Tcheca.

Nos Estados Unidos da América, há uma lei federal que proíbe qualquer tipo de venda ou posse da droga. Todavia, a aplicação desta lei varia muito entre os estados do país, sendo que alguns criaram programas de uso medicinal da maconha, contrariando a lei federal (Califórnia, Oregon, Washington, Nevada, Montana, Colorado, Novo México, Michigan, Vermont, Maine, Rhode Island, Havaí e Alasca).

Nos Países Baixos (frequentemente chamados de Holanda, mas de forma imprecisa), a cannabis é formalmente ilegal, mas as decisões do judiciário neerlandês mostram que nenhuma ação deve ser tomada em caso de posse de uma pequena quantidade e sobre a venda sob condições estritas.

luta2

Em Portugal a posse da droga é limitada a 25g de erva, 5g de Haxixe e 2,5g de Óleo de cannabis. Os limites são definidos por 10 doses diárias e se forem excedidos é considerado tráfico de drogas. O uso da maconha foi descriminalizada em 06/07/2000, em uma lei aprovada no Parlamento. Espanha e Itália foram os dois países europeus a descriminalizar o uso da maconha antes de Portugal.

Alguns países têm leis que não são tão rígidas como as de outros, como é o caso do Brasil pela Lei 11.343, em seu art. 28, que determina as seguintes penas:

I – advertência sobre os efeitos das drogas;

II – prestação de serviços a comunidade;

III – medida educativa de comparecimento a programa ou curso educativo.

Mas muito cuidado, pois o tráfico é fortemente repreendido pelo Código Penal do Brasil.

Muitos defendem a legalização da cannabis, acreditando que isso pode eliminar o narcotráfico e a criminalidade associada a ele, além de produzir uma valiosa fonte de impostos e reduzir os custos de policiamento. Em 2010, um artigo publicado na revista Lancet sugeriu que a maconha fosse menos prejudicial, tanto para o indivíduo consumidor quanto para a sociedade, do que drogas legalizadas, como o álcool e o tabaco, dando respaldo a argumentos em favor da legalização.

Fonte: Wikipedia.

O que é a Maconha?

O QUE É A MACONHA?

São as flores e folhas secas da planta CANNABIS SATIVA, também conhecida como Cânhamo verdadeiro. Os cigarros são chamados de: erva, pacau, baseado, charão, fininho ou finório. Contém várias substâncias que têm efeitos cerebrais, a mais conhecida sendo o delta-9-tetrahidrocanabinol (D -9-THC,THC). Também contém substâncias que não agem no cérebro, como o alcatrão. Outras preparações da CANNABIS são o haxixe, ganja e charas.

POR QUE É USADA?

Os efeitos variam se a droga é fumada ou tomada, e dependem da quantidade usada. Com doses baixas há euforia (sensação de bem-estar) e risos, quando em grupo, ou há relaxamento e sonolência, se está sozinho. A memória fica prejudicada e a pessoa não consegue executar tarefas múltiplas. Há aceleração do tempo subjetivo, fazendo minutos parecerem horas, e confusão entre passado, presente e futuro. Os sentidos ficam aguçados, mas o indivíduo tem menor equilíbrio e força muscular. Os olhos ficam vermelhos (congestão da conjuntiva), a boca seca, e aumenta a vontade de comer doces.

O pulso fica acelerado, e a pressão pode diminuir quando a pessoa fica em pé, causando tontura. Com doses mais altas iniciam os delírios (desorientação, confusão, raciocínio incoerente, medo, ilusões), alucinações (perceber algo quando não há estímulo) e despersonalização (sente que não é mais ele mesmo), que podem atingir um nível de psicose tóxica. Nestes estágios de intoxicação a pessoa pode sentir-se muito mal, mostrar-se agitada e confusa, caracterizando a má viagem.

FAZ MAL PARA A SAÚDE?

Sem referir aos problemas de comportamento já citados, é conhecido que:

– fumar maconha traz os mesmos problemas que fumar cigarro de tabaco: bronquite, asma, faringite e enfisema, quando fumada em grandes quantidades.

– diminui a imunidade, aumentando a chance de ocorrerem infecções;

-se for usada durante a gravidez, existe a possibilidade de prejudicar o feto.

PODE OCASIONAR DEPENDÊNCIA?

A dependência pode ocorrer por uso repetido, durante bastante tempo. Pode haver tolerância (precisa-se usar maior quantidade de droga para sentir os mesmos efeitos de antes), de forma que a pessoa passa a fazer uso diário da droga, no entanto, a suspensão abrupta do uso não produz sintomas físicos. O dependente se afasta da família, do trabalho e do lazer, para ficar usando a droga. Alguns podem perder o interesse por cuidar de sua saúde ou higiene.

O QUE FAZER EM CASOS DE “MÁ VIAGEM” ?

Conduzir um indivíduo a um centro de urgências é a melhor medida. Caso não seja possível, é importante colocar a pessoa em ambiente calmo, sempre acompanhado por alguém, evitando que machuque a si ou a outras pessoas. Não dar remédios ou bebidas alcoólicas.